Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aqui, sem ti

Aqui, sem ti

Querer não é poder.

Já quis muito, mais do que me davas.
Tive-te temporariamente.
Quis-te e muito, muito mais do que tu alguma vez me quiseste. Quis tudo de ti, deste-me pouco, queria-te por inteiro mas não te tive.
Depois de te ter continuei a querer-te mas aí já não podia.
Não deixaste, desapareceste.. Procurei-te mas já estavas diferente e não deixei de te querer feita otária, burra. Queria e não podia. Foi desgastante essa temporada, senti-me um par de jeans que se mete na gaveta e só se usam muito de vez em quando. Foi mau. Passei de uma pessoa alegre que sou para uma rapariga meio triste, não tive a noção. Tu estavas-te a lixar para o que eu dizia ou sentia, toda eu era um farrapo, e tu não querias saber.
Eu queria-te com todos os defeitos e qualidades, pedia sempre que voltasses, e voltavas, queria e podia nessa altura. depois não pedi mais, já chegava, estava farta, pensava que te estava a fazer um favor, desapareci. Fui igual a ti.
Porque é que voltaste a ultima vez? Eu não pedi.. Querias-me? E eu dei-me. Pudeste.. 
O único problema era eu que achava que dessa vez ia ser diferente, que nunca mais ias embora e ficavas comigo, mas enganei-me como em todas as outras vezes.. aquelas que eu perdi a conta. Perdi a noção do que era, deixei de ser eu, sem nunca o mostrar a niguém, só eu sabia o que sentia quando me vinhas à cabeça, só eu é que sei o que me provocavas, eras a terapia e a pior doença ao mesmo tempo, só tu conseguias ferir mas sarar. Por ultimo feriste, fundo... Ainda não sarou, mas com o tempo há de sarar.

Foste uma das melhores e das piores pessoas que conheci, espero nunca mais conhecer ninguém como tu. Um dia vais querer e não vais ter e aí vais te lembrar de mim, mas querer não é poder.   

 

Para sempre, até morrer.

Como alguém me disse houve um que me marcou "um bocadão", é verdade, não posso dizer que não.
Mas marcou-me, pretérito perfeito, passado. 

 

 

Agora, presente.
Aqui estou eu, sem ti, sem ninguém. Sempre com o apoio de alguém, mas no fundo só. 
À espera do que me fará feliz. Do que me trará o mundo.
O tempo passa e eu continuo vazia, ninguém me preenche. 
Quero, preciso, necessito de alguém que me faça sentir que o amor existe mesmo, porque ele existe. Há quem duvide, e não sei porquê, nunca devem ter estado apaixonados, nunca devem ter sentido aquela sensação de não há chão, de queda livre.
Eu acredito, já amei, por isso há amor, existe e vai sempre existir... Mas se fui amada? Acho que não. 
Pelo menos sei que eu: sinto, amo e vivo, para sempre, até morrer. 
Quero amar-te, mais do que já amei alguém.
Quando é que apareces? Estou à tua espera. À espera que chegues, sorrias e digas que estás aqui para mim, para sempre, até morrer.
Quero que me abraces, me beijes como se não houvesse mais ninguém no mundo, que me faças sentir "a única", "a tal", para sempre, até morrer.
Preciso que me olhes e me digas que sou tua, depois de me conquistares eu dir-te-ei que és meu, para sempre, até morrer. 
Necessito que me guies, me leves, sem explicações, só nós, para onde quiseres, desde que estejas comigo, me protejas, para sempre, até morrer.
Sou assim, não gosto quando não dão o devido valor às coisas. Eu dou. 
Quero que me contes tudo, do início ao fim, que confies em mim, e eu farei o mesmo porque o que eu quero é confiar-te a minha vida, poder cair e ter-te lá para me levantares e lembrar-me que eu não sou só a queda nem o que me fez cair, que sou também o que já foi inteiro antes e que mesmo despedaçada continuo a poder ser reconstruida.
Quero que me tires a respiração.
Preciso que me tires a respiração.
Necessito que me tires a respiração.
Tudo para saber o que é amar e ser amada.

Quero-te desconhecido, preciso-te desconhecido, necessito-te desconhecido, para sempre, até morrer. Só não digo até depois da morte porque aí já não sinto, não vejo, não toco, não cheiro, não oiço, não saboreio, por isso é que é só até morrer.

 

Prefiro continuar a ser eu.

Hoje em dia, eles são todos iguais, é o que se diz por aí.. mas não são, há sempre um ou outro que é o ideal de homem mas esse não é o que nós queremos, o que nós queremos é aquele pelo qual nós reclamamos. 
Sempre fui aquela rapariga meio tímida, nunca fui de coisas passageiras, e quando me apaixono é a sério. 
O problema é que me apaixono sempre pela pessoa errada, aquela que eu gosto mas queria não gostar. É estupido mas é mesmo assim, só amamos cabrões. 
E eles? Eles que dizem que preferem as mulheres que lhes dêem luta, que digam não mil vez até conseguirem o que querem. Nem sempre é assim, falam falam, mas se o que querem não lhes é dado saltam fora, já não querem, desistem do que poderia ser o melhor do mundo. 
Eu prefiro continuar a ser eu, não vou ser diferente do que sou, não me vou mostrar se não sou dele, não me conquistas? Não levas nada. Eu prefiro os que me dão luta, dão pica, dão o "eu estou aqui mesmo sabendo que ainda não és minha". Agora tu.. tu não, se eu gostava que mudasses.. não, hás de encontrar alguém que seja fácil, aquela que consegues fazer xeque mate em 5 segundos, tá easy. 
Não sei se percebes o que provocas em mim, deixas-me completamente louca, sem jeito. Mas como não sou suficientemente fácil..
Gostavas de gastar alguns euros num jogo da playstation e só demorar um dia a completar as missões? No fim não irias sentir a sensação que foi dinheiro desperdiçado? Não preferias ter mais tempo com o jogo? Um que dê mais luta, que não seja fácil e que no fim te sintas orgulhoso do que alcançaste? Eu preferia.. o problema é que eu não sou tu.
O que eu queria mesmo era que percebesses que não sou uma qualquer, posso não ser "a tal" mas também poderei ser, e isso nunca vais saber porque estás "a saltar fora do barco". Salta, podes saltar, prefiro continuar a ser eu.